30 de mai de 2013

Como as redes sociais podem ajudar na venda pela internet

 O empreendorismo continua em franca expansão no Brasil. A ascensão da classe C tem influenciado diretamente o crescimento da economia no país, fazendo com que muitos deixem de procurar empregos formais, para se arriscar em novos negócios.

Um dos setores em que o micro empreendorismo de forma geral, têm despontado com um dos mais crescentes é o setor de comércio, com 39% de participação entre todos os outros setores pesquisados. Segundo dados levantados pelo Sebrae, o perfil dos microempreendedores está focado no comércio de roupas e acessórios com 43% trabalhando em casa ou na própria residência.

A penetração da internet, têm sido grande facilitadora no acesso a informação para esse novo perfil de negócios.

Muitos microempreendedores já começam a venda na maior parte das vezes, pela internet, antes mesmo de pensar em abrir uma loja física. O custo operacional é menor e a possibilidade de trabalhar em casa têm atraído muitos negociadores de plantão.

Entrar no comércio eletrônico, apesar de uma possibilidade inicial de investimento menor, não é só uma tarefa operacional, exige-se desse microempreendededor uma flexibilidade para pensar em novas ações que irão colaborar diretamente com o sucesso do projeto.
Em um cenário cada vez mais competitivo, sobrevive aquele que se diferenciar. Planejar ações de marketing é pensar como a empresa irá vender seu peixe, ou seja, como convencer o cliente a comprar na loja.

"...Não é só abrir uma loja virtual e acreditar que ela venderá sozinha. É necessário investir em ações de marketing para que o projeto possa prosperar..." respondeu Fernanda Nogueira da empresa Prosa Interativa, especializada em marketing de conteúdo.




Questionada sobre qual a vantagem de investir em mídias sociais, Fernanda Nogueira respondeu que elas representam uma possibilidade real de atingir o público alvo, com um custo muito menor que a realização de um comercial de televisão, por exemplo. A vantagem desse trabalho para as microempresas é a construção da marca além de ser um dos principais canais de comunicação que o cliente procura quando tem algum problema. Para o microempreendedor isso significa redução de custos se comparamos com o atendimento telefônico tradicional, já que na rede social tudo é muito dinâmico.

Um projeto de gerencimento de uma fanpage no facebook, por exemplo, pode envolver a criação da página, logotipo, geração de conteúdo, resposta de usuários, acompanhamento, criação de promoções, monitoramento e elaboração de relatórios. Esses procedimentos serão fundamentais para o sucesso da estratégia do microempreendedor que pode decidir pela terceirização do serviço ou pela gestão interna das suas redes sociais.

Um estudo realizado pelo Observador Cetelem Brasil em parceria com o Instituto Ipsos-Public Affairs, revelou que 53% dos entrevistados querem comprar produtos por meio de sua página pessoal na internet, sem precisar ir a loja.

Nesse mesmo levantamento, a iniciativa mais valorizada pelos consumidores foi o uso do frete grátis, com 58% dos entrevistados.
Para saber mais sobre redes sociais, baixe gratuitamente estes e-books:


Me siga no twitter @rachelfernandez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários que tragam ofensas, discriminação ou preconceitos serão automaticamente apagados. Respeite os demais usuários.